Como é feito o vinho? Veja o passo a passo da produção!

Quer aprender sobre vinhos? Encontrou o post perfeito!
16 de julho de 2020
Filmes sobre vinho: pegue a sua taça e curta essas histórias!
17 de agosto de 2020

Que a bebida é produzida a partir do suco da uva, muita gente sabe. Mas você conhece, exatamente, como é feito o vinho? Tudo o que o envolve é fascinante, e a sua fabricação não é diferente. Existem detalhes superinteressantes que você precisa saber.

Cada uma das etapas de elaboração do vinho são decisivas na hora de obter a bebida final. A partir de uma mudança, seja no lugar de cultivo, na colheita das uvas, no envelhecimento ou em qualquer outro ponto, já temos sabores, aromas e corpos diferentes. É por isso que quem ama um bom vinho deve ficar por dentro do assunto.

Se você ainda não entende o que está por trás da produção dessa bebida incrível, não tem problema! Neste post, contamos todos os detalhes. Vamos lá?

Criação

Antes de falarmos sobre a produção do vinho em si, é importante pontuar o profissional responsável por todas as etapas, desde a escolha do solo até a rotulagem: o enólogo. É ele quem vai aplicar as técnicas e os conhecimentos necessários para a elaboração da bebida, chegando ao resultado desejado.

Por exemplo, ele entende que tal uva precisa amadurecer mais para criar um vinho com x característica. Ele pode querer acrescentar qualidades a uma bebida misturando os tipos de uvas. Ele quer um vinho mais fresco, então, usa tanque de inox em vez de barril de madeira na fermentação, e assim por diante.

Colheita

A colheita das uvas pode ser feita em várias épocas do ano. Isso porque cada variedade atinge um estado de maturação diferente da outra. Aliás, você sabia que é a quantidade de açúcar presente na fruta que define o teor alcoólico da bebida? Quanto mais madura a uva, mais açúcar, mais álcool, mais corpo e menos acidez no vinho.

Geralmente, a colheita é feita em horários que têm a temperatura amena, pois isso evita a oxidação dos frutos. O processo pode ser feito de maneira manual ou mecânica. Sendo que a primeira é mais lenta e cara, porém mais seletiva.

Desengace e esmagamento

O desengace é uma etapa que retira os “galhinhos” das uvas, aqueles que seguram os bagos e formam os cachos, sabe? Eles conferem sabor amargo e indesejável ao vinho, sendo muito importante que sejam removidos. Logo após, é feito o esmagamento dos frutos para romper a casca.

Nessa hora, sai um primeiro suco, chamado de mostro-flor, muito rico em açúcares e pobre em acidez e tânicos. Ele é separado e usado para a produção de vinhos mais nobres.

Prensagem

Essa etapa é feita exclusivamente para vinhos brancos. Isso porque ela tem a intenção de separar as cascas e as sementes do suco antes da fermentação. No caso dos vinhos tintos e rosés, o suco é fermentado a fim de obter a coloração desejada.

O suco das primeiras prensagens é o mais especial. Por isso, é o que segue para a etapa de vinificação. Como nada é desperdiçado, o suco das últimas prensagens pode ser usado para a produção de Grappa — um tipo de aguardente.

Fermentação

A fermentação é a hora em que as leveduras agem e fazem a transformação do açúcar natural do suco de uva em álcool e dióxido de carbono. Ela pode ser feita em tanque de inox ou barris de carvalho. Na primeira opção, o vinho ganha características de frescor e sabores de frutas.

Já na segunda, a fermentação em madeira prepara o vinho para ser amadurecido também em barris de carvalho. Esse processo deixa a bebida mais macia ao paladar e com aromas e sabores mais amadeirados e menos frutados.

O que também influencia o resultado do vinho é a temperatura da fermentação. Os vinhos brancos e rosés ficam melhores com temperaturas mais baixas, pois têm seus aromas e sabores delicados preservados. Já os vinhos tintos são favorecidos por temperaturas mais altas, pois isso aumenta a cor e os taninos.

Por fim, vale dizer que quanto mais tempo o vinho ficar em contato com as cascas, mais cor ele terá. Portanto, os vinhos rosés ficam por menos tempo, enquanto os tintos por mais. Já os brancos, como dissemos, não fermentam com a casca, justamente para não pegarem cor. Dessa maneira, é possível elaborar vinhos brancos mesmo a partir de uvas roxas.

Trasfega

Trasfega é o processo em que o vinho é transferido do tanque de fermentação para outro limpo. Ele é importante porque, durante a fermentação, resíduos sólidos, bactérias, leveduras e matérias orgânicas se depositam no fundo do equipamento. Para evitar que tudo isso influencie o sabor do vinho, é que existe essa etapa.

Clarificação e estabilização

A clarificação serve para deixar o vinho com aparência mais límpida. Caso contrário, a bebida fica turva, o que não é desejável. Em seguida, é feita a etapa de estabilização, com o objetivo de deixar o vinho mais estável depois do envase.

É ela que vai permitir que a bebida permaneça com as características positivas, mesmo depois de passar por mudanças de temperaturas. Além disso, evita que aconteçam novas fermentações dentro da garrafa.

Amadurecimento

Depois da última etapa descrita, o vinho pode ir direto para o envasamento ou passar por mais um estágio: o amadurecimento em barris de carvalho. Isso faz com que o vinho tenha maior oxigenação, reduzindo os taninos e a acidez, além de conferir novos aromas e sabores, como nozes, baunilha, coco, especiarias, couro, madeira e outros.

Esse processo pode ser feito tanto em vinhos tintos, o que é mais comum, quanto em brancos. Os vinhos feitos a partir da Chardonnay, por exemplo, ficam mais encorpados e com características amanteigadas quando amadurecidos em barris de carvalho.

Envasamento

Por fim, temos o processo de envasamento, em que os vinhos são engarrafados. Entretanto, eles ainda não podem ser comercializados, pois é preciso que fiquem algum tempo em repouso para que se estabilizem antes de serem liberados para os consumidores.

Isso porque a exposição ao oxigênio durante o engarrafamento e/ou a agitação no transporte podem gerar o que é chamado de “doença da garrafa”. Nesse caso, a bebida perde os sabores e os aromas, ficando sem graça e com “gosto de rolha”, como muitos dizem.

Entretanto, um vinho que passa por isso não é perdido. Alguns dias ou semanas de repouso fazem com que suas características retornem, deixando-o pronto para ser consumido.

Saber como é feito o vinho deixa a experiência da degustação ainda mais interessante, não é mesmo? A cada gole, você perceberá que todas as etapas são importantíssimas para chegar ao resultado incrível da sua bebida favorita.

Que tal aproveitar para degustar diferentes tipos de vinhos harmonizando perfeitamente com a comida? Leia em nosso post o passo a passo para fazer a harmonização de vinhos.

Abrir Chat
Precisa de Ajuda?
Olá, podemos te ajudar?